2

Transporte, crianças e homesickness

Espero que esteja tudo bem com vocês, porque ontem foi um dia meio difícil para mim por causa da saudade de casa e por estar uma bagunça hormonal esses dias. Eu só pensava coisas como “eu quero ir pra minha casa, eu quero minha cama, eu quero minha internet e eu quero minha cachorra e vai todo mundo se ferrar”. Sinto saudades da agitação de São Paulo e das facilidades que eu tinha lá.

Obviamente, aqui estou aprendendo a virar adulta e deixa eu dizer que está sendo uma tarefa pelo menos tão complicada quanto achei que fosse. Como eu mal tenho habilidades sociais, fazer qualquer coisa sozinha me deixa incrivelmente nervosa, e ter que falar com pessoas estranhas é uma coisa difícil pra mim. Por isso senti falta de estar em casa, deixando minha mãe cuidar de tudo e falando só com quem eu queria, e na minha própria língua.

Mas felizmente hoje esse sentimento já passou, e recobrei a felicidade de estar aqui.

Queria comentar sobre o trem que eu pego todo dia, porque isso é uma coisa que me chamou a atenção. Não se vê nenhum lixo jogado no chão dos trens, mas ele é muito sujo. Quero dizer, o chão é imundo, cheio de poeira. Algumas pessoas comem no trem e pedaços de comida podem ficar no chão. Todos os assentos têm mesinhas na parte de trás, e todas elas estão sujas com manchas de café. Isso é uma coisa que eu particularmente não gosto e acho horrível. Imagina a quantidade de gente que entra molhada no trem e deixa lama e outras coisas no chão. Eca.

Falando em “outras coisas”, uma coisa que eu odeio aqui é como ninguém recolhe o cocô de cachorro da rua. Ninguém. É normal andar e ver cocôs pisados, intactos, frescos ou velhos no meio da calçada, e honestamente ninguém parece ligar. Isso me tira do sério. E olha que eu não estou falando de cocozinho de chihuahua.

“ah, então seu cachorro tá fazendo cocô e você não tá recolhendo? Hmmmm, muito interessante (seu filho da puta)”

Outro ponto que chama muito a minha atenção aqui é que literalmente 2 a cada 5 pessoas na rua estão acompanhados de crianças ou bebês. Eu me pergunto como diabos a taxa de natalidade dos países europeus é baixa se tanta gente tem filhos. Juro que é impossível sair na rua sem quase trombar com um carrinho de bebê (que frequentemente não tem nenhum bebê dentro e é utilizado pelos velhinhos como uma forma de transportar sacolas). Muita gente tem mais de um filho. Isso me irrita um pouco também. Não sou a maior fã de crianças e elas ficam entrando na sua frente quando você está andando na rua.

PARA DE ENTRAR NA MINHA FRENTE SEU PIOLHENTO BABÃO VO CHUTAR SUA CANELA

Bom, só espero que as coisas comecem a dar certo nos próximos dias. Se as forças intergalácticas quiserem, em breve fecho uma vaga em algum lugar e paro de me estressar com isso. Por favor rezem para Saturno atender aos meus pedidos. Estou começando a ficar um pouquinho desesperada.

A gente se vê por aí!

Anúncios
0

Tutorial: Como pegar o trem/DART

Yay, quem não ama essas coisas? Fiquei nervosa pra caramba quando tive que pegar meu primeiro trem, então quis compartilhar isso.

Bom, vamos lá.

Antes de mais nada, você precisa saber para onde vai e que horas seu trem passa na estação que você está. Por isso eu recomendo o aplicativo do Irish Rail (disponível para Android e IOS), que funciona muito bem apesar de não ser visualmente atraente. Pelo menos ele cumpre sua função com honra. Para saber qual trem pegar, eu recomendo usar o Google Maps (funcionou pra mim).

2015-02-11 23.03.02

Na primeira aba, a principal, você digita a estação que você está e a estação que você quer ir. Ele vai te dar o horário que o trem passa na plataforma que você está, então seja pontual, já que ele raramente se atrasa. Quando você for pegar o trem, anote o nome dele (por exemplo, o que eu pego para parar na estação da Tara Street é o Dublin Pearse), assim você pode usar a outra guia mais facilmente.

2015-02-11 23.03.25

A última guia é a mais prática. Você digita a estação que você está e ele vai te dar todos os horários de todos os trens que passam na sua estação (imagem abaixo), por isso é importante saber o nome do seu trem antes de ir nessa guia.

2015-02-11 23.03.47

Por exemplo, eu pego o Dublin Pearse às 8:35, mas antes costumava pegar esse daí das 7:47. Como ele é sempre bem pontual, uma vez que você decora o horário, fica bem mais fácil. Você pode salvar suas estações principais nos favoritos (ali do lado esquerdo), que fica bem mais simples de ver os horários.

Ok, agora que você sabe quando passa seu trem, você precisa de uma passagem (a não ser que você tenha um Leap Card, mas vou presumir que você não tem). Em toda estação existem máquinas de bilhete. Você pode comprar por elas ou direto no balcão — novamente presumo que se for a sua primeira vez de trem/DART, você está nervoso e não quer falar com ninguém.

Chegue na máquina e vá na opção do meio, o Buy Ticket ou alguma coisa parecida. Lá você vai achar o nome do seu trem. Se você não achar nos principais, existe a opção de procurar por outros, então não se desespere.

Agora preste atenção porque eu me ferrei com isso da primeira vez: fique esperto na hora de comprar seu ticket. Ele pode ser Adult Day Return ou Adult Single. O primeiro é bilhete de ida E volta (não precisa de um novo), e o segundo é só ida. Óbvio que o de ida e volta é mais caro.

Ok, você clicou no lugar certo e conseguiu seu ticket. Agora só falta pagar. Enfie as moedas ou as notas na máquina, espere um pouquinho, e pronto, seu ticket e seu troco cairão na fenda na parte de baixo. SEU TICKET TEM QUE PARECER COM ESSE DAQUI:

2015-01-31 20.04.08

Não pegue um que tem um monte de letras. Eu peguei um achando que era o que eu tinha comprado e chegando na Tara Street eu não estava conseguindo sair, e o cara disse que eu tinha pegado um recibo de compra, não o meu ticket. Fiquei puta.

Ok, você comprou o seu ticket. Agora é hora de entrar na plataforma. Logo na entrada existem umas “catracas” que na verdade são de vidro. Você ENFIA seu ticket na fenda da frente (ou, se você tem Leap Card, encosta no painel) e espera ele sair na parte de cima. Quando ele sair, você puxa e a portinha de vidro abre, então você passa. Na dúvida, espere no canto e observe alguém fazendo.

Entramos na plataforma. Agora você precisa saber em qual dos lados o seu trem vem. Nesse caso é melhor perguntar pra alguém ou ver na telinha se aparece o nome do seu trem. Se faltar menos de dez minutos para ele chegar, o nome dele deve aparecer ali com o tempo estimado. Se não estiver, deve ser do outro lado. Para garantir, pergunte pra alguém.

O trem chegou. Você pode reparar que na porta existem dois botões, um verde e outro vermelho. O verde abre a porta. Quando o trem parar de vez, um aviso sonoro soa e umas luzes ao redor do botão verde piscam, e isso quer dizer que você pode apertar para a porta abrir. Atenção: a porta não abre a não ser que alguém de dentro ou fora aperte o botão.

Ache seu lugar e fique confortável. Uma voz anuncia toda vez, em inglês e em irlandês, qual a próxima estação, então não precisa se preocupar. Caso queira ser precavido, no aplicativo do Irish Rail, naquela terceira foto, você pode clicar no trem que você quiser e ele mostra todas as estações até a sua. Você pode acompanhar caso esteja com medo de descer na errada — eu estava assim — e acabar perdido.

Para descer do trem, aperte o botão verde do lado da porta, e ela se abrirá. Siga as massas na direção da saída. Passe na catraca do mesmo jeito que antes e pronto, você conseguiu com sucesso pegar o seu primeiro trem/DART.

A gente se vê por aí!

0

Deus, desliga esse ar-condicionado

Hoje foi dia de dar passeio no centro.

Por causa disso, vossa pequena autora resolveu pegar o trem até lá. Ok.

1) Como diabos se compra uma passagem??? Tá, isso eu consegui fazer. O problema foi chegar na plataforma. Não que fosse muito difícil — realmente não era —, mas tive que esperar alguém descer do trem pra poder saber. Merda.

2) A espera foi foda. Desculpem o palavreado, mas eu esperei 40 fucking minutos naquela estação aberta, ouvindo os corvos atrás de mim a todo momento. Quando faltavam 15 minutos pro meu trem, a plataforma começou a encher. Ufa. No meio tempo consegui tirar essa foto mais ou menos bonitinha:

2015-01-31 15.31.25

pontezinha maneira

3) Sentei bonitinha no banquinho, esperando pacientemente minhas pernas descongelarem. Quando chegou a minha estação, descobri que você tem que apertar um botão verdinho pra abrir a porta, e aí eu segui o povão até a saída.

4) Demorei um pouco pra entender como diabos se saía da estação. Quero dizer, como eu ia saber que você tinha que enfiar a passagem naquele negócio? Tive que me afastar e esperar alguém fazer para eu poder descobrir como se fazia também. Isso foi meio embaraçoso na verdade ehehehe

5) Saí de lá e fui dar uma olhada ao redor e descobrir onde era a minha escola. Depois de ter passado por ela uma vez, acabei achando a portinha azul pequena. Hm.

6) Dei uma andada na mesma rua, mas decidi que estava muito frio e escurecendo rápido demais, então resolvi voltar para casa. Comprei a passagem de volta e demorei pra sacar de qual lado o trem viria (aí eu usei um pouco o cérebro e cheguei a conclusão de que se eu vim pela esquerda, eu obviamente voltaria pela direita), e esperei pacientemente uns 20 minutos pelo meu trem.

7) Estava cheio na volta, então não consegui sentar. Fui de pé o caminho todo, mas não que isso importe. A caminhada de volta para casa foi cruel. Minha bota não é das mais confortáveis e minhas pernas estavam meio duras, mas consegui chegar inteira e com todos os dedos no pé, e aí nós tomamos uma sopa.

Agora algumas observações que eu gostaria de fazer.

— O centro é bem legal. Bem legal mesmo. Pena que a hora que eu cheguei lá a maioria das coisas já estava fechando. Eu estava muito a fim de tomar um chocolate quente no Starbucks, mas estava com medo de me afastar demais da estação e não saber o caminho de volta.

— Mulheres que conseguem usar saia e meia-calça (daquelas fininhas) são verdadeiras guerreiras e devem ser temidas (sou obrigada a dizer que vi mais de 5 mulheres usando isso, então realmente não foi uma exceção).

— Parabéns a todos que conseguem sair sem touca ou cachecol. Vocês ganharam na vida.

— Uma coisa que me irritou é que não existe faixa de pedestre. Não pelo menos a do tipo que existe no Brasil. Elas são super discretas e eu só sabia onde podia atravessar porque tinha farol.

Assim dá pra saber bem onde você pode atravessar

Cadê a faixa, cadê????

— O vento é a pior parte. De longe. Nem tava tão frio assim — meu celular dizia 6°C, o que eu já peguei até em São Paulo — mas o vento dá vontade de se jogar nos trilhos do trem.

— Enquanto aqui em Dublin 15 não se vê uma bituca de cigarro, no chão do centro é lotado. E eu digo lotado mesmo.

— Achei as passagens caras, hein. Bem carinhas. Vou ver se consigo fazer a de estudante mensal.

2015-01-31 20.04.08

Aqui vai uma fotinho que eu tirei na ponte

2015-01-31 16.34.03

Estava um dia bonito. Gelado, mas bonito. Que nem eu falei pra minha host mom, “pelo menos não choveu”.

Bom, agora mesmo estou no meu quarto e minhas mãos estão congelando enquanto escrevo esse post. Por isso eu peço encarecidamente: Deus, desliga esse ar-condicionado (e por favor fala pra São Pedro que tem que chover lá em São Paulo, valeu).

A gente se vê por aí!